Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Estado Social e os Impostos (II)

por Pedro Silva, em 13.02.19

imagem crónica Rasurando.jpg

Explicado que está a razão pelam qual o Estado Social tem de existir, vamos agora entrar na sua principal fonte de financiamento: os impostos/Taxas.

 

Ninguém gosta dos ditos. È natural que assim o seja pois para além da sua natureza de financiamento, estes tem a função reguladora dos hábitos da sociedade em que vigoram. Mas no devia ser assim. Mas este sentimento de que o Estado ”nos está a ir ao bolso” não é transversal a todos os povos.

 

Os países do Norte da Europa, por exemplo, são conhecidos pela sua elevadíssima carga fiscal, Mas também são famosos pelo simples facto de que o Estado Social ser funcional. Dito de outra forma; em países como a Alemanha (por exemplo), os cidadãos são sujeitos a uma elevadíssima carga fiscal, mas em contrapartida estes mesmos cidadãos podem recorrer ao Estado sempre que dele necessitem. E a resposta que este mesmo Estado dá è, por norma, eficaz e tremendamente eficiente.

 

Já em países como Portugal o contribuinte paga muito e recebe pouco da parte de quem lhe cobra impostos, taxas e taxinhas. Muito pouco tendo em consideração o elevado volume da carga fiscal que vigora actualmente…

 

Ou seja; os impostos em Portugal não são o problema. São antes parte de uma mais do que necessária solução. Isto porque, quer se goste ou não, todos, independentemente da nossa condição económico-social, necessitamos do Estado Social para podermos fazer parte de uma Sociedade que se quer justa, pacífica e organizada.

 

Então qual é o problema crasso do nosso Estado Social? O que falha no seu necessário financiamento?

 

A resposta pode até ser complexa para alguns, contudo eu tenho para mim que o maior problema do nosso Estado - Social e não só – reside, essencialmente, em que tem o dever de gerir o erário público. Não querendo, de forma alguma, alimentar estereótipos e algumas ideias – mal – feitas, tenho de ser realista e ressalvar a enorme dificuldade que os nossos governantes (de todas as “cores” políticas) tem de adaptar a sua gestão de algo que é de todos nós à realidade das coisas tal como ela é.

 

Ou seja; sem ainda concluir o meu pensamento critico sobre o Estado Social, chego à conclusão de que o real problema em torno do nosso Estado Social não é o próprio Estado Social. E muito menos o seu financiamento (impostos). O problema é, isto sim, a nossa sociedade que teima em não querer aprender com os erros que cometeu ao longo da sua já muito extensa história.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Vorph a 13.02.2019 às 11:16

"O problema é, isto sim, A Nossa Sociedade que teima em não querer aprender com os erros que cometeu ao longo da sua já muito extensa história."



Não percebi. O problema da ineficiência do Estado Social somos nós? Pensava que era daqueles que nos têm governado, usando,por exemplo os fundos da segurança social para fins nada sociais (ex:FEFSS), ou adquirindo fundos de pensões de privados (bancários) para colmatarem necessidades urgentes de liquidez, mas criando gravissimos problemas, de tesouraria, a médio prazo.


Se os impostos sobre os rendimentos/património diminuissem seria possivel aos cidadãos procurar soluções fora do Estado Social, como por ex: PPR (100€/mês), Seguro de Saúde (60€/mês)....o problema é que o Estado, como qualquer corporação monopolista (todos somos obrigados a descontar/pagar impostos), descura a boa gestão da coisa pública. Se der prejuizo , em vez de se mudarem as práticas administrativas/de gestão , aumentam-se os impostos....Pedro, o texto está muito gralhado...corrija lá isso
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 13.02.2019 às 22:01

A questão é mesmo essa: a perceção do serviço público que o Estado nos devolve em função dos impostos que pagamos. 
Imagem de perfil

De cheia a 13.02.2019 às 22:36

O problema tem sido a má gestão! Deitar a mão a tudo, para tapar buracos que nunca deviam ter existido. 

Comentar




Newton.gif

Não falamos da actualidade, do acontecimento. Nem opinamos sobre uma notícia.

Falamos de política num estado mais puro. Sem os seus actores principais, os políticos - o que torna o ar mais respirável. E os postais sempre actuais; por isso, com as discussões em aberto.

A discussão continua também nos postais anteriores, onde comentamos sem constrangimentos de tempo ou de ideias.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.